Com a polémica que temos vivido em torno das vacinas, ao lerem este título, podem julgar que as vacinas vão acabar cá por casa… nada disso! 

O nosso Pedro fez 7 meses, e agora tem umas “feriazinhas” das vacinas até completar um ano. E férias porquê? Porque segundo o plano nacional de saúde, e segundo as vacinas extra plano que a nossa pediatra, a professora Dra. Carla Rego, recomendou, o nosso bebé levou vacinas todos os meses desde que nasceu. Pára agora aos 7 meses, e retoma aos 12. 

O dia de vacinas é sempre aquele dia que vamos apreensivos, com o coração apertadinho pela dor que o bebé pode sentir, pela reacção que pode fazer, enfim… mas felizmente, até nisto o nosso Pedro tem sido um bebé fantástico. Praticamente não chora, nem tem feito reacções pós-vacina. 

Daqui para a frente… é que não sabemos como será! A partir dos 12 meses, os bebés têm cada vez mais noção da dor, mais noção daquilo ao que vão, sofrem um pouco mais, e nós consequentemente também! 

Confesso que se pudéssemos escolher, preferíamos vacinas orais para não haver aquelas picadinhas que fazem choramingar os nossos bebés… mas apesar desses segundos de sofrimento, não abdicamos das vacinas. 

O tema tem sido polémico e tem estado na ordem do dia, e nunca é demais relembrar. Já aqui vos disse publicamente que somos 100% defensores da vacinação. Não sou mais que ninguém, mas se puder apelar e sensibilizar alguém para que repense e vacine os filhos, é o que farei sempre. 

Os números apurados nos últimos tempos são bem reveladores dessa importância. Mais de metade dos doentes com sarampo, não estavam vacinados. Mais de metade, é assustador… 

Todos queremos o melhor para os nossos filhos… e não temos o direito de não os proteger de doenças que podem contrair ao longo da vida. Eles merecem e precisam que os protejamos!