Às vezes, ponho-me a imaginar nas coisas que eu gostava que existissem. Já repararam que temos máquinas para quase tudo? Máquinas para fazer café, para lavar a roupa, para cortar a barba… Acho que ainda nos falta inventar algumas, por isso, mostro-vos aqui uma ou outra ideia que tive, com a condição de não contarem a ninguém, claro!

Sei que há muita gente que desejaria ter uma máquina do tempo, para poderem regressar ao passado ou para perceberem o que vai acontecer no dia de amanhã. Eu confesso que não acharia muita piada, a vida tem mais graça quando tudo acontece sem estarmos à espera, certo?

Então, a minha ideia é esta: criarmos uma máquina que vende estados de espírito.

Imaginem que estamos num dia menos bom. Bastava colocarmos uma moeda, escolhermos a opção “Felicidade” e, voilà, estávamos felizes da vida. Lembram-se daquela expressão que diz que o dinheiro não traz felicidade? Neste caso, traria alguma… Sou ou não sou um autêntico Thomas Edison?

Bem, mas será que estão preparados para a invenção do século? Embora eu não seja apologista das viagens no tempo, defendo com unhas e dentes a criação de uma máquina que o possa regular.

É que nós estamos sempre a queixar-nos de que as coisas boas passam demasiado rápido, enquanto que as más duram uma eternidade. Esta minha criação viria dar-nos mais tempo nos momentos que nos fazem bem! Quanto aos maus, esses nem 5 segundos duravam…

Revelo-vos uma coisa, desde novo que eu mantenho uma indignação: quando vão inventar um secador de cabelo que não faça barulho?

Quanto às minhas ideias, calma, não me agradeçam já, ainda preciso de patentear isto tudo!

 

Leiam também: